fbpx

Cryptau (AM1), a primeira cryptoproperty do Brasil, será listada na YouBtrade a partir de janeiro de 2021

Lançada em junho de 2020, a Cryptau (AM1) é uma nova forma de se comprar e vender direitos de propriedade por meio da tecnologia blockchain. Pioneiro no Brasil, o projeto transformou os direitos de propriedade da fazenda Dois Irmãos, no município de Nova Aripuanã, no Amazonas, em ativos digitais, os tokens Cryptau (AM1).

Criada pela consultoria Tokefy para os proprietários da fazenda, a cryptoproperty Cryptau (AM1) fracionou os direitos de propriedade da fazenda em 100 milhões de tokens, usando a rede descentralizada da blockchain Ethereum. O comprador recebe seus tokens Cryptau (AM1) em uma carteira multiassinatura — que usa múltiplas chaves privadas — o que significa mais uma camada de segurança para as transações.

Até o final de 2020, a cotação da Cryptau (AM1) segue uma tabela de descontos regressivos, com o cadastro diretamente no site www.cryptau.io/cadastro. A partir de janeiro de 2021 a empresa lança uma parceria com a exchange youBtrade e lista seus ativos na corretora. Com isso, será possível realizar as compras de Cryptau (AM1) em trocas diretas com os pares BITCOIN (BTC), MONERO (XMR), ETHEREUM (ETH) e a stablecoin USD Coin, além, é claro, de Reais.

Além de ampliar o mercado para compra, a estrutura da youBtrade vai trazer inúmeras vantagens, entre elas, cartão de crédito (bandeira Elo) com liquidação automática de bitcoin em tempo real, sem a necessidade de recarga ou transferência e também a possibilidade de transferência de Reais entre os usuários, sendo a única exchange do Brasil a disponibilizar esse recurso.

 

Cryptoproperty, security token e utility token. Qual a diferença entre eles?

Ao comprar uma Cryptau (AM1), o comprador precisa saber que se trata de uma cryptoproperty e não de um security token ou utility token. A diferença principal está na regulamentação e na necessidade ou não de autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Um security token serve como meio para captação de recursos e, por isso, precisa de autorização da CVM. Já os utilities tokens são como “vouchers”, onde o titular tem o direito de desfrutar de um produto ou serviço e, por não se tratar de captação pública de recursos com finalidade de empréstimo ou financiamento, não necessita da autorização.

Já as cryptoproperties não se enquadram nem na qualidade de security token, nem na de utility token. Elas são representações de bens e direitos de propriedade na blockchain. Basicamente, significam a evolução da forma de representar direitos de propriedade, que é o que a Cryptau (AM1) fez com a fazenda Dois Irmãos, no Amazonas. Para mais informações, o White Paper do projeto pode ser consultado em www.cryptau.io/whitepaper.